segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Linda homenagem de uma aluna do 3º ano Sarah Buchud

O tempo passou e o ano acabou, mas parece que ele parou la onde tudo começou. A gente brigou, brincou, e agora? Tudo mudou! Erramos mas aprendemos, questionamos, mas fizemos, e no fim vivemos, alegrias incontáveis, tristezas suportáveis. Afinal uma jornada nem sempre é só alegria. 
Odiamos e amamos. Mas agora vemos que tudo é como uma cicatriz , que na hora doeu, mas agora nos mostra que crescemos e aprendemos. Algumas foram adquiridas brincando, outras brigando, mas conquistamos no fim experiencias.
Os professores uns antigos, outros nem tanto e outros recém chegados, mas todos com seu valor inestimável. Agora é hora de partir, conhecer outro mundo, e viver com aquelas cicatrizes e com os ensinamentos que são trazidos com cada uma, seja boa ou ruim, mas fim o melhor pra mim.



Sarah Buchud Salgueiro

sábado, 1 de dezembro de 2012

Quem escreveu não me conhece...sério?

SOL EM CÂNCER, ASCENDENTE EM CAPRICÓRNIO – O DESEJO CONCENTRADO

Como você nasceu num momento próximo ao pôr-do-sol, Dione, seu signo ascendente é Capricórnio que, combinado ao Sol em Câncer, sugere uma natureza introspectiva e profunda, capaz de se dedicar com afinco e extrema persistência às coisas que deseja. Uma tremenda força concentrada é o resultado natural desta combinação Câncer-Capricórnio, e você também conta com uma inteligência social pronunciada, uma capacidade de compreender o outro, de se colocar no lugar do próximo, justamente porque no momento de seu nascimento o Sol se projetava para o oeste - marca registrada de indivíduos dotados de uma alta percepção do "outro".

Cuidado, entretanto, com uma espécie de desconfiança fóbica oriunda de um exagero de percepção da dureza da realidade. A sensação de que o mundo é um terreno perigoso pode lhe conduzir a agir de uma forma muito defensiva, se censurando, e ainda por cima achando que os outros estão a lhe censurar, o que não é absolutamente uma verdade! Você nem necessita de outra pessoa a lhe criticar: você já tem a si.

O tempo é seu melhor amigo, Dione. Imagine só: você une em sua alma a tenacidade do caranguejo, que prefere perder a pata a largar a isca, à persistência da cabra que sobre uma montanha. Seus melhores objetivos são aqueles de longo prazo, portanto nem sonhe em batalhas por coisas que exijam resultados imediatos. Há também um outro lado, entretanto: procure observar até que ponto algumas insistências suas são, de fato, relevantes. Como eu disse, muitas vezes o caranguejo perde a pata quando seria mais inteligente simplesmente largar a isca... E isso tem a ver com apego e teimosia, nada que um pouco de reflexão racional não amenize.

Seriedade demais pode lhe levar a parecer uma pessoa um pouco amarga, e de fato vale se questionar: até que ponto as coisas devem ser levadas com tanta preocupação?

domingo, 11 de novembro de 2012

Lá fui eu de novo...

Eu te amo.
Mesmo negando.
Mesmo deixando você ir.
Mesmo não te pedindo prá ficar.
Mesmo não olhando mais nos teus olhos.
Mesmo não ouvindo a tua voz.
Mesmo não fazendo mais parte dos seus dias.
mesmo estando longe, eu te amo.
E amo mesmo.
Mesmo não sabendo amar.
CAIO FERNANDO ABREU

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Neovida

A palavra acima acho que é um neologismo... mas define muito bem essa nova etapa...lembra da história das várias encarnações? Pois é...outra vida está se colocando à minha frente há uns quatro meses, mais ou menos...ando até sumida daqui...tudo NOVO, literalmente falando...
Novo amor, nova profissão, novo ego e muito importante , novo corpo!
Quantas transformações e pela primeira vez alguém que cuida de mim... nem sei mesmo como aproveitar isso, porque nunca aconteceu antes... ser elogiada, amada ... de graça... sem ter  que mudar ou ocultar ou esconder quem sou realmente... diferente, gostoso, muito bom mesmo... acho que o  amor deve ser isso, simples, bom e genial...
Madrugadas de conversas, sol nascendo e café quente... almoço às cinco da tarde ainda com o corpo quente do amor, delícia...ahamm, desculpa, me empolguei, (risos).
Até meu sorriso, agora pode ser inteiro, admirável, pleno de segurança e alegria mesmo! Posso dizer o que sei e o que não sei também, sem ressalvas...
Deus, obrigadaaaaa
Acho que agora estou pronta para começar a viver...NOVAMENTE!!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Vôo

Ontem meu menino alçou seu primeriro vôo solo...
Doeu, mas doeu tanto, que passou...sabe quando a dor é tanta que sublima? Deve ter acontecido isso comigo, simplesmente, passou...
O que acontece é uma sensação de fracasso, ou difícil de explicar, uma de impotência...
Nada mais certo do que o ditado que fala que criamos os filhos pro mundo, pois é, ele JÁ foi pro mundo e agora só me resta confiar nos ensinamentos e que ele vai saber se comportar e viver em outro ambiente.
Boa sorte meu filho e seu cantinho está aqui...
Sempre...

terça-feira, 22 de maio de 2012

Mensagem psicografada dia 18/05/12

Sabem vícios?
Sabem rodas?
Sabem círculos?
Sabem fins?
Eis a roda!
Evoluir
Eis a vida!

domingo, 20 de maio de 2012

Você diz que ama a chuva, mas você abre seu guarda-chuva quando chove. Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha. Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra. É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama
William Shakespeare
Por isso, fim.
Dione Gumes 

quinta-feira, 22 de março de 2012

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Texto escrito por minha filha na aula de sociologia

JARDIM
Sempre pensei que meu jardim fosse horroroso, sem vida, sem graça. Mas uma grande amiga falou: " Não, seu jardim tem vida e é bonito". Já estava pensando em destruí-lo; em destruir as sementes que um dia iriam florir esse lindo jardim. Flores de sonhos e as mais belas flores do aprendizado e da amizade.
Mas, por enquanto, meu jardim só tem a terra arada para receber as sementes e uma grande árvore, que , por sinal, é a única que é eterna, a árvore da família.
E o nome desse jardim é vida, ela pode parecer acabada mas sempre haverá alguém para ajudar a refazê-la.
Aída Gumes Fernandes


Chorei , claro.

domingo, 12 de fevereiro de 2012

Soneto da separação

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.
De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.
Vinícius de Moraes